iPhone 8 da Apple tem lançamento tímido na Ásia

iPhone 8 da Apple tem lançamento tímido na Ásia

O lançamento do iPhone 8 da Apple começou com um clima menos animado na Ásia, em comparação com estreias anteriores, com os fãs esperando o modelo top de linha iPhone X, que será lançado no início de novembro.

Centenas de pessoas geralmente se reúnem na loja da Apple em Sydney, com filas desdobrando a esquina em uma das principais ruas da cidade, quando uma nova versão do produto é lançada. Mas havia menos de 30 pessoas no local antes da abertura da loja nesta sexta-feira, de acordo com uma testemunha da Reuters.

Enquanto o número de pessoas que fazem filas nas lojas da Apple caiu ao longo dos anos devido a muitos optarem por compras online, o fraco comparecimento no início das vendas do recente iPhone se deve parcialmente às críticas ruins.

Mazen Kourouche, que foi o primeiro da fila depois de passar 11 dias do lado de fora da loja para que pudesse comprar e avaliar o produto no YouTube, disse que houve modestos aprimoramentos.

“É muito parecido com o iPhone 7, mas tira fotos em 4k e 60 quadros por segundo, e tem uma novo revestimento de vidro, em vez do metal, o que o torna aparentemente mais durável”, disse ele à Reuters. “Não há muitas ferramentas novas nesse aqui.”

Na China, uma fiel cliente da Apple disse que a câmera melhorada foi uma das razões pelas quais ela comprou o novo dispositivo.

iPhone-8“Eu esperei até a meia-noite para assistir ao evento de lançamento com meu namorado para aprender o que há de novo neste iPhone. Sua função de fotografia é muito boa. Então eu acho que devo mudar sem hesitação”, disse a consumidora Ta Na, em Xangai .

As menções ao iPhone 8 e ao iPhone X na popular rede social chinesa Weibo, um indicador de interesse do consumidor, foram menores do que os níveis observados nos dois lançamentos anteriores.

Comentários ruins sobre o iPhone 8, lançado 10 anos depois da primeira versão do celular revolucionário, derrubou as ações da empresa para mínimas de quase dois meses, a 152,75 dólares na quinta-feira, com os investidores preocupados com o número de encomendas do aparelho, muito menor que o de lançamentos anteriores.

O iPhone 8 só atenderá aqueles que querem uma nova versão, mas não querem pagar 999 dólares pelo iPhone X, disse o editor de tecnologia da iTWire.com, Alex Zaharov-Reutt, que não fez fila para o lançamento.

O iPhone X é um dispositivo de vidro e aço inoxidável com uma tela infinita que o presidente-executivo da Apple, Tim Cook, chamou de “o maior salto desde o iPhone original”.

“Eu acho que vai ser mais animado com mais pessoas com o iPhone X”, disse Ray Yokoyama, depois de comprar um iPhone 8 em Tóquio.

Fonte: Reuters

Quanto vai custar o iPhone no exterior e no Brasil?

Quanto vai custar o iPhone no exterior e no Brasil?

Depois do lançamento oficial dos iPhones, na semana passada, agora nos resta saber os preços que eles deverão ser vendidos.

A data de início das vendas, no mundo, deve ser dia 22/09 – para os iPhones da “linha 8” (8 e 8 Plus). Para a versão top de linha da maçã, o iPhone X, a data deverá ser no início de novembro.

Se você preferir comprar o seu aparelho no exterior, veja abaixo como deverão ser os valores em reais:

  • O preço de referência é do modelo básico em cada país, ou seja, o iPhone 8 de 64GB
  • Os valores locais foram primeiro convertidos em dólar e depois em Reais.
  • A conversão para Real considera o valor do dólar turismo do dia 14/09/2017, sem contar taxas de IOF, que variam de acordo com o tipo de compra (espécie ou no cartão)
  • Os preços não levam em conta taxas locais adicionais, como nos Estados Unidos
  • Em países da União Europeia é possível pedir reembolso do VAT antes de voltar para o Brasil
  • Todos os valores servem apenas como referência e não devem ser considerados como definitivos

Fonte da tabela e informações: Blog do iPhone

As novidades (e críticas) do iPhone X, aposta da Apple para o futuro dos celulares

As novidades (e críticas) do iPhone X, aposta da Apple para o futuro dos celulares

O novo iPhone X eliminou o botão “home”. Para desbloqueá-lo, a câmera frontal do aparelho vai mapear o rosto do usuário identificando 30 mil pontos, que serão transformados num código matemático. Você pode mudar o penteado, colocar óculos e até envelhecer. Ainda assim, garantem os criadores, o sistema de reconhecimento facial vai funcionar.

Aposta da Apple para o futuro, o IPhone X foi apresentado nesta terça-feira na Califórnia. O aparelho exibe, de ponta a ponta, uma tela sem botões e que conta com a tecnologia OLED (sigla em inglês de Organic Light-Emitting Diodes, ou diodo emissor de luz orgânico). Feito em aço e cristal, vai ser vendido nas cores cinza e prata e é resistente a respingos, água e poeira, segundo o fabricante.

A pré-venda do X, que se pronuncia “dez” assim como o algarismo romano e o número de anos desde que foi lançado o primeiro iPhone, começa em 27 de outubro, e a previsão de lançamento é para 3 de novembro – porém apenas nos EUA e alguns outros países, grupo que não inclui o Brasil.

Além do reconhecimento facial, que representa uma evolução do ID Touch, o display do X não tem bordas, mas traz uma câmara frontal de 7 megapixels, com estabilização automática e modo retrato para selfies.

O iPhone X roubou a cena na apresentação desta terça da Apple. Além dele, foram mostrados o novo relógio Apple Watch Series 3, a Apple TV 4k e os celulares iPhone 8 e iPhone 8 Plus, estes dois últimos também resistentes a água e pó, de acordo com a empresa.

Lançamento aconteceu nesta terça na mais nova sede da Apple em Cupertino, na Califórnia

Mais caro

O modelo mais básico do iPhone X, de 64 GB, vai custar US$ 999 (cerca de R$ 3,1 mil) nos EUA. O modelo de 256 GB, por sua vez, US$ 1.149 (R$ 3,5 mil).

O X vai custar mais caro que, por exemplo, um modelo similar de 64 GB do Note 8, da Samsung, que custa US$ 930.

O especialista Neil Mawston, da consultoria Strategy Analytics, classifica como “lendária” a habilidade que a Apple tem de fazer com que os consumidores gastem mais com seus aparelhos.

Segundo ele, a companhia sempre quis vender um aparelho por US$ 1 mil. “Temos visto como os preços estão subindo ano após ano, e existe muita pressão dos acionistas”, observa.

“Pode haver um elemento de alta de preços para controlar a demanda e gerar um equilíbrio em relação à quantidade de celulares que podem produzir”, avalia Mawston.

Além do iPhone X, foram apresentados novos modelos de produtos da Apple, como o relógio Apple Watch 3

A tela do iPhone X exibe tecnologia OLED Super Retina, que promete contraste e saturação de cores e tons escuros mais reais, além de economizar bateria se comparada com os displays das telas de retina das gerações anteriores.

A LG e a Samsung já usam tecnologia similar em seus aparelhos.

“O iPhone X é um investimento de longa data da Apple que estabelece um padrão para as próximas gerações do aparelho”, observa Geoff Blaber, da consultoria em tecnologia CCS Insight. Para ele, o desafio é garantir peças suficientes para o novo produto.

A nova tela do iPhone X não tem bordas nem botões, mas traz uma câmera potente

Receio

A Apple reconhece que os usuários podem estar apreensivos sobre como usar o reconhecimento facial para desbloquear o aparelho e conferir compras feitas pelo telefone.

Para driblar uma possível resistência, a empresa diz que o reconhecimento facial é mais seguro que o uso da digital. Argumenta que a possibilidade de outra pessoa “roubar” a identidade do usuário é uma em um milhão.

A tecnologia de identificação será feita por meio de uma câmara de profundidade e de um chip biônico. A Apple garante, por exemplo, que o sistema foi projetado para evitar o uso de fotos ou máscaras para ativar o aparelho.

Ainda não se sabe, contudo, se a tecnologia vai funcionar de forma eficiente.

Durante a apresentação na Califórnia, por exemplo, o sistema não funcionou de primeira para Craig Federigh, chefe de software da Apple que mostrava o novo modelo. Apareceu para ele aquela tela na qual é preciso digitar o código de acesso para desbloquear o aparelho.

Críticas

Alguns especialistas criticaram o fato de o telefone não ter mantido o uso da digital como segunda opção.

“Esse é o maior obstáculo que se tem agora”, observa Carolina Milanesi, da Creative Strategies. “Muita gente vai ficar receosa de usar esse reconhecimento facial se não ficar provado que é seguro”, complementa.

Para o especialista em tecnologia da BBC, Dave Lee, o X é o grande salto que os seguidores de iPhone e o mercado financeiro queriam, apesar de o novo produto trazer características já esperadas como o reconhecimento facial e os emojis animados, mais divertidos para interagir.

Críticos dizem que a Apple deveria ter mantido a identificação digital como segunda opção para desbloquear o aparelho

As novidades fazem o modelo ser o mais caro a história, observa o especialista.

Segundo Lee, a Apple era criticada por demorar a incorporar novas tecnologias em seus produtos. “Creio que essa visão vai continuar”, observa.

Ele salienta que o novo produto incorpora a função de carregar o celular sem a necessidade de usar fios anos depois de a Samsung ter adotado a tecnologia.

“O visual – que não inclui mais o icônico o botão ‘home’ – surpreendentemente se parece com o da versão mais recente do Galaxy Note”, avalia.

 Fonte: BBC
Preço do iPhone cai no Brasil

Preço do iPhone cai no Brasil

Ontem foi o grande dia para os “Applemaníacos” pois descobrimos (realmente) como serão os novos iPhones.

Além de conhecermos, também vimos os valores e datas previstas para iniciarem as vendas.

Depois do evento, nós já podemos ver os preços dos modelos “mais antigos” caírem.

Veja abaixo como estão agora os preços:

Se você deseja comprar um modelo desses, aproveite agora. Possivelmente não teremos novas alterações até o fim do ano.

iPhone SE

iPhone 6

[Apple]: veja as novidades do novo iPhone

[Apple]: veja as novidades do novo iPhone

E o evento da Apple aconteceu! As novidades foram apresentadas oficialmente e não foram poucas. Vamos ver:

iPhone X (leia iPhone 10):

A tela é OLED (diodo emissor de luz orgânico, na sigla em inglês) de 5,8 polegadas com cantos arredondados. A resolução em pixels é de 2436 × 1125 e 458 pontos por polegada.

A parte frontal do aparelho possui câmeras e sensores que possibilitam o Face ID (reconhecimento facial – modo de desbloqueio do novo aparelho). Esse reconhecimento funciona mesmo no escuro pois funciona com uma espécie de luz projetada no rosto do usuário.

Ele também é construído com vidro na parte da frente e de trás. Tem moldura de aço inoxidável de alta qualidade, recarga sem fio e toda a estrutura é protegida contra água e poeira.

As câmeras com lentes teleobjetiva, de 12M pixels, e grande-angular oferecem zoom óptico, além de zoom digital até 10x para fotos e 6x para vídeos.

 

O processador conta com um chip A11 Bionic com 6 núcleos. Ele tem um processador neural capaz de realizar até 600 bilhões de operações por segundo. Segundo a Apple, esse novo modelo é 70% mais rápido do que o modelo 7 e 7 plus.

A bateria também foi melhorada: o aparelho possui um controlador de desempenho de segunda geração que faz com que dure até duas horas a mais de uso entre recargas do que o iPhone 7.

A recarga poderá ser feita sem a necessidade de cabo conectado diretamente no aparelho. O método nesse modelo é por indução.

E o preço? A… o preço… ele vai custar US$ 999. Chegará às lojas dos Estados Unidos no dia 3 de novembro. Deseja ter mais detalhes? Acesse clicando aqui o site da Apple.

Também foram lançados os modelos 8 e 8 plus. Esses serão detalhados nas próximas publicações.

[Opinião]: Antigamente era mais legal

[Opinião]: Antigamente era mais legal

Como antes postado aqui, nessa próxima semana, mais precisamente no dia 12/09 (terça-feira), a Apple fará o seu evento anual onde será divulgado o novo sistema operacional (iOS) dos seus principais dispositivos móveis (iPhone, iPad e iPod) como também iremos conhecer o novo e tão esperado iPhone. Nesse dia também deveremos conhecer alguma novidade relacionada ao Applewatch.

Antigamente, um evento como esse era muito esperado pois nos mostrava o que a empresa estava mais empenhada em fazer, o que tem de mais moderno no mundo da tecnologia além da significativa apresentação da Apple. Era um show e ao término o assunto era muito debatido, comentado e criticado. Há alguns anos esse evento quase não tem mais sentido… quase. As notícias vazam como anúncios oficiais. Tudo é conhecido e descrito em detalhes. As novidades na verdade passam a ser poucas. No dia e hora do evento apenas confirmamos o que vazou.

Até onde isso é legal e sadio para a Apple?

Eu particularmente acho que algo desse tipo só tira o brilho do evento e do lançamento. Só esfria a sensação de que a novidade tecnológica realmente é nova. Quando o aparelho é oficialmente divulgado, o nosso real sentimento é que a inovação foi pouca e o aparelho apenas tem algumas poucas funções legais. O iOS (novidade também do evento), chama um pouco mais a atenção pois consegue atender uma quantidade bem grande de usuários uma vez que possibilita a atualização em uma quantidade grande de modelos além de ser gratuito!

Antigamente era mais legal… a gente esperava até o dia e a surpresa era realmente grande. Fazendo uma analogia, era a mesma sensação de criança esperando chegar o dia de Natal (exagerei será?).

Hoje sabemos como vai ser o novo aparelho, o nome, as cores, o formato entre outros vários detalhes. Isso é legal? Saber antes?

Enfim, o dia está chegando e as novidades já não serão mais novas. É o que temos para o momento.

Antigamente era mais legal…