Descubra o que acontece quando você clica em um link falso

Descubra o que acontece quando você clica em um link falso

Psafe

 

Conheça pessoas que clicaram em links falsos e toparam compartilhar suas histórias para explicar o que acontece quando os hackers conseguem enganar você

 

Você sabia que, em média, os brasileiros acessam 8 links maliciosos por segundo? Este é o dado apontado pelo DFNDR Lab – laboratório especializado em segurança digital – em seu relatório sobre o último trimestre de 2017, divulgado recentemente. Mas afinal, quem são esses brasileiros? O que de fato acontece com essas pessoas quando elas acessam um link falso ou malicioso?

O início de tudo, na maioria dos casos, se dá a partir do recebimento de uma mensagem acompanhada de um link, que é enviada por algum amigo ou parente por meio de redes sociais, como WhatsApp e Facebook. Mas a pessoa que enviou fez isso propositalmente? A resposta é não!
Provavelmente, ela também recebeu a mensagem de uma outra pessoa, como uma espécie de corrente, exatamente como mostra a imagem abaixo:

 

link

 

Quando um hacker espalha um link na rede, o foco principal é atrair o máximo de usuários possível. Para ele, qualquer pessoa pode se tornar um alvo, não importa gênero, idade, profissão ou classe social.
Foi o que aconteceu com a Mariana (Gerente de Mídias Sociais), o Renato (Designer) e a Roseane (Fisioterapeuta). Cada um deles recebeu um link falso diferente, mas todos tinham algo em comum: a credibilidade dos amigos que enviaram as mensagens. Pensando nisso, convidamos essas pessoas para compartilharem suas histórias e contarem um pouco do que aconteceu com elas.

No caso do Renato, por exemplo, ele recebeu de uma amiga, uma mensagem com o link de um vídeo. Como ela era Produtora Audiovisual, Renato acreditou ser a divulgação de um projeto e clicou.
Ele topou compartilhar sua história com a gente para explicar o que aconteceu após clicar no link falso. Para ele, é imprescindível dividir esse tipo de situação com outras pessoas, para mostrar como funciona e o que elas precisam fazer para não passar pelo que ele passou. Confira!

 

 

E você, já passou por alguma situação como essa? Compartilhe com a gente a sua história!

Você pode contar o que aconteceu clicando aqui ou pode gravar um vídeo e postar nas redes sociais usando a #CompartilheSeguranca.
Para conferir outras histórias, como a da Mariana e da Roseane, basta acessar a página da PSafe no Facebook.

 

 

5 dicas para você aprender a aumentar a segurança do celular

5 dicas para você aprender a aumentar a segurança do celular

Psafe

 

Proteção nunca é demais, seja qual for o modelo ou sistema do seu telefone.

 

O celular se tornou um item indispensável no dia a dia do brasileiro. Criamos o hábito de depositar informações de boa parte da nossa vida em um único e pequeno aparelho e, uma vez que ele cai em mãos erradas, o prejuízo pode ser grande. Pensando nisso, Emilio Simoni, Diretor do DFNDR Lab – laboratório especializado em segurança digital – separou 5 dicas importantes para você aprender a aumentar a segurança do celular.

1- Bloqueie a tela do seu celular com senha

Proteger a tela de bloqueio do celular com o auxílio de uma senha é uma das medidas de segurança mais básicas e essenciais. Ao exigir uma senha de desbloqueio, você dificulta e até impede que terceiros tenham acesso aos seus dados sem a sua permissão.

2- Fique atento ao tempo de bloqueio da tela

A maioria dos modelos de celular disponibiliza a opção de bloquear a tela automaticamente depois de um determinado tempo sem uso. Esse tempo quem escolhe é o usuário, basta acessar as Configurações do aparelho.
Quanto menos tempo desbloqueado, melhor e mais seguro. Por isso, o ideal é escolher as opções Imediatamente ou após 1 minuto.
Assim, caso esqueça de apertar o botão que bloqueia a tela manualmente, o próprio celular fará isso por você de acordo com o tempo escolhido.

3- Mantenha o sistema operacional atualizado

O processo de atualização do sistema influencia diretamente na segurança do celular, uma vez que as atualizações buscam implementar um software de segurança mais inteligente, que reforça a proteção, corrige falhas e fecha possíveis vulnerabilidades. Por isso, tenha sempre a última versão do sistema operacional instalada no seu aparelho.

4- Ative função de rastreamento do dispositivo

Uma ótima forma de manter todos os seus dados seguros é ativando o rastreamento do dispositivo. Com essa função, caso você perca seu celular ou seja roubado, é possível saber para onde ele foi levado com a ajuda de um mapa. Além disso, você também tem a opção de apagar todos os seus dados à distância e deixar somente as configurações de fábrica.
Para ativar essa função nos aparelhos iOS, basta acessar os Ajustes, buscar pela opção iCloud e ativar Buscar iPhone e Última Localização.

Já nos modelos Android, uma opção é usar a função Antifurto do DFNDR Security. Para isso, abra o app, acesse o menu , toque em Configurações e selecione Antifurto. Aí é só ativar todas as funcionalidades de segurança e pronto!

Você pode baixar o DFNDR Security clicando aqui.

5- Mantenha o backup do celular em dia

Com o backup do seu telefone em dia, você consegue acessar os seus dados, apps, fotos, vídeos e arquivos por meio de outro aparelho ou até mesmo de um computador. Assim, em caso de perda, roubo ou problema no celular, mesmo que você não consiga recuperar o aparelho, não há risco nenhum de você perder tudo e pode restaurar as configurações de fábrica sem problemas.
Veja aqui como fazer um backup de forma automática e segura.

 

Oferta falsa de crédito no celular foi o golpe com mais vítimas no trimestre

Oferta falsa de crédito no celular foi o golpe com mais vítimas no trimestre

Psafe

 

Ataque pelo WhatsApp oferecendo crédito de graça teve 1.7 milhão de acessos; confira e saiba como se proteger

 

1.7 milhão de ataques! Esta foi a marca atingida pelo maior golpe de phishing registrado pelo DFNDR Lab, laboratório de segurança digital, no quatro trimestre de 2017. O golpe, que prometia R$ 50 em crédito para o celular, teve ainda mais duas variações, que tiveram 557 mil de acessos e 50 mil de acessos, respectivamente. Juntos, as três versões do golpe atingiram 2,3 milhões de pessoas. Para conferir mais dados sobre os golpes do último trimestre.

Por que o golpe do crédito de graça é perigoso

Neste tipo de golpe, a isca é a oferta falsa de uma quantia em crédito grátis, que é compartilhada por um link, através do WhatsApp. Para ganhar o bônus, no entanto, a vítima deve compartilhar o link com seus amigos e grupos no aplicativo, o que contribui para espalhar o golpe ainda mais rapidamente. Em ataques de phishing, a cada nova visualização, mais dinheiro o hacker recebe à custa da vítima.

Atenção! Para tornar a armadilha ainda mais verossímil, os criminosos simulam comentários falsos de pessoas elogiando e recomendando a oferta. No fim, além de não ganhar o crédito prometido, o usuário é levado a se cadastrar em um serviço de SMS pago, a receber uma série de anúncios abusivos ou a instalar algum aplicativo contaminado.

O que fazer se cair no golpe

Segundo Emilio Simoni, diretor do DFNDR Lab, o primeiro passo é solicitar à operadora do celular o cancelamento de qualquer serviço de SMS pago que o criminoso induziu a vítima a se cadastrar. Em seguida, o usuário deve rodar um antivírus para identificar e bloquear qualquer ameaça instalada após o acesso ao link malicioso.

Ataque

Ataque

Ataque

Ataque

Como se proteger

Para ficar protegido contra golpes é essencial manter um antivírus no celular que contenha uma ferramenta de anti-phishing, como DFNDR Security, único app de segurança com proteção contra ataques também no WhatsApp e Facebook.

É esta ferramenta de anti-phishing que é capaz de bloquear as ameaças em tempo real. Assim, quando o usuário toca no link falso ou contaminado, um alerta é enviado para o seu celular, impedindo o ataque. Para instalar gratuitamente, basta tocar aqui.

Guia de Segurança: saiba proteger seu celular em grandes eventos

Guia de Segurança: saiba proteger seu celular em grandes eventos

Psafe

 

 

O DFNDR Lab lança cartilha de segurança com principais dicas para que usuários aproveitem grandes eventos com o smartphone e todas as suas informações protegidas

 

O Brasil é mesmo um país animado: tem um calendário cheio de festas de rua, recebe festivais do mundo todo, grandes shows e muitos eventos esportivos. E aí é fácil se deparar com ruas supercheias, bares e restaurantes com filas, engarrafamento e pontos turísticos e praias lotadas.

A questão é que tanta gente reunida também chama a atenção de criminosos e cibercriminosos, porque eles sabem que as pessoas estarão mais descontraídas, focadas em se divertir e com o smartphone por perto – afinal, a gente quer se comunicar, atualizar as redes sociais e registrar os momentos.

DFNDR Lab, laboratório especializado em segurança digital, separou algumas dicas em uma cartilha de segurança para que todo mundo aproveite esses momentos com o celular e as informações pessoais protegidas.

Guia

 

Cuidado ao compartilhar o seu número de CPF na internet

Cuidado ao compartilhar o seu número de CPF na internet

Psafe

 

Veja como proteger seu número de CPF e não ser vítima de golpes aplicados pela internet

Será que corremos riscos ao informarmos nosso número de CPF na internet? A resposta é sim! O Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) é uma das formas mais essenciais de identificação e é crucial para provar quem você é.

O roubo, a clonagem e o uso indevido de números de CPF têm se tornado frequente. Com esse tipo de dado em mãos, os criminosos podem gerar grandes prejuízos financeiros às vítimas a partir de compras de produtos, solicitações de cartões de crédito, entradas em financiamentos, entre outras coisas que podem fazer com que o nome dessas pessoas fique negativado, passando a constar na lista do Serasa e SPC. Por isso, é importante saber exatamente quando você pode ou não informar dados pessoais como este na internet.

Pensando nisso, Emilio Simoni, Diretor do DFNDR Lab – laboratório especializado em segurança digital – separou alguns conselhos úteis para você proteger seu CPF e não ser vítima de golpes aplicados pela internet.

1- Não responda e-mails ou mensagens de celular que solicitam informações pessoais

É muito comum que hackers enviem e-mails ou mensagens de texto (SMS) se passando por instituições oficiais, como bancos e operadoras de celular, para solicitar informações pessoais importantes, como número de CPF.
A recomendação de Simoni é não responder a essas mensagens e nem clicar em nenhum link que tenha sido enviado junto. Se possível, bloqueie o número de telefone ou endereço de e-mail que entrou em contato com você.
Na dúvida se a mensagem é verdadeira ou não, procure um canal oficial para falar diretamente com a suposta instituição que te enviou a mensagem.

2- Desconfie de promoções e brindes oferecidos por meio do WhatsApp

Segundo dados do Relatório de Segurança Digital no Brasil, produzido pelo DFNDR Lab, o WhatsApp foi o app mais usado por hackers para atrair vítimas no último trimestre de 2017. Foram registradas mais de 44 milhões de tentativas de ataques.
Por isso, não clique em nenhum link de mensagem que ofereça serviços grátis, brindes e promoções recebidos pelo WhatsApp, mesmo que tenha vindo de um amigo ou parente. E se clicar, não informe nenhum dado solicitado.

3- Fique atento a segurança do site que você vai informar seu número de CPF

Antes de informar seu CPF, verifique se o site que está solicitando esse dado é seguro. Isso pode ser feito das seguintes formas:

  • Para usuários Android, basta ativar a função Bloqueio de Hackers do DFNDR Security. Assim, sempre que um link falso e perigoso for acessado ou recebido por mensagem, o app enviará imediatamente um alerta de segurança para proteger seu celular.
  • Para usuários de iOS e Windows Phone, basta usar o verificador de links do DFNDR Lab. Ao abrir o Lab e colar o link, na mesma hora ele informará se é falso e perigoso.
    Veja aqui como criar um atalho do DFNDR Lab no seu celular!

4- Veja se é possível usar formas alternativas de identificação

Mesmo que você tenha certeza de que o site acessado é 100% seguro, veja se é possível utilizar outra forma de identificação no lugar de seu número de CPF. Números de carteira de motorista, número de passaporte ou seu endereço às vezes podem ser suficientes e dificultam a criação de documentos falsos em seu nome.

Como baixar aplicativos no seu celular com segurança

Como baixar aplicativos no seu celular com segurança

Psafe

 

Baixar aplicativos pode trazer mais riscos a segurança do seu celular do que você imagina! Saiba como se proteger.

 

Aplicativos são essenciais para quem usa celular, seja ele um Android ou IOS. E com milhares de opções de apps disponíveis para fazer donwload, às vezes pode ser difícil ter certeza da segurança de cada um deles. Isso porque hackers podem se aproveitar para transformar um simples aplicativo em uma grande armadilha para sua segurança.

Existem alguns cuidados que você deve tomar na hora de baixar aplicativos. “Um usuário que faz o download de um aplicativo falso, que é um tipo de malware, pode ter seu aparelho danificado ou seus dados roubados”, comenta Emilio Simoni, Diretor do DFNDR Lab, laboratório especializado em segurança digital.

De acordo com o Relatório da Segurança Digital no Brasil, divulgado pelo DFNDR Lab, só no último trimestre de 2017 foi detectado 755 mil ataques via malwares do tipo cópia maliciosa. “Esse tipo de malware é idêntico a um app verdadeiro, por isso, é capaz de enganar centenas de usuários. Mas é possível identificar alguns sinais de que ele é falso”, completa Simoni.

Como baixar aplicativos com segurança

Os especialistas de segurança do DFNDR Lab recomendam que os usuários façam download de aplicativos preferencialmente nas lojas oficiais do Google – Play Store – ou Apple – App Store. Dessa forma, você corre menos riscos de baixar um arquivo perigoso. Evite baixar apps através de markets alternativos, como sites não oficiais para downloads de aplicativos.

Por mais que as lojas oficiais do Google e Apple sejam consideradas seguras, hackers ainda podem se aproveitar de brechas na segurança para inserir apps falsos nas lojas. Por isso, é importante que você tenha um antivírus instalado em seu celular. O DFNDR Security, por exemplo, oferece a função de Verificação Agendada, em que você escolhe o dia que quiser e o antivírus roda automaticamente no seu aparelho, eliminando qualquer ameaça que encontrar.

“Antes de realizar o download de um aplicativo, confira os comentários de outros usuários na página e a avaliação do app. Pontuação baixa e muitos comentários negativos, podem indicar alguma anomalia ou bug do aplicativo e, portanto, é melhor evitar baixá-lo”, finaliza Simoni.