Facebook lança aplicativo de mensagens para crianças com menos de 13 anos

Facebook lança aplicativo de mensagens para crianças com menos de 13 anos

O Facebook lançou nesta segunda-feira (04/12) o Messenger Kids, aplicativo que permite que a maior rede social do mundo se expanda para um mercado até agora inexplorado de crianças menores de 13 anos, ao mesmo tempo em que dá aos pais controle completo sobre o que seus filhos vêem.

O Facebook normalmente exige que os usuários tenham pelo menos 13 anos de idade. O novo aplicativo possibilita que a rede social fidelize crianças mais novas no momento em que enfrenta competição de outras plataformas de redes sociais entre adolescentes, como o Snapchat.

Já existe um punhado de outros aplicativos que as crianças podem usar com o consentimento dos pais, e as crianças podem se comunicar entre si usando mensagens de texto em celulares.

O Facebook disse que uma pesquisa com 1.200 pais e especialistas em segurança e desenvolvimento infantil mostrou que crianças jovens já estavam usando a tecnologia regularmente – mas em aplicativos para adolescentes e adultos, fazendo pais temerem que seus filhos estivessem se comunicando com estranhos.

Ao mesmo tempo, os pais estavam dispostos a deixar que seus filhos de 6 a 12 anos usassem redes sociais, desde que existisse um controle parental rigoroso. O Facebook Messenger Kids exige que os pais criem uma conta e aprovem os contatos dos filhos.

“Há realmente uma lacuna no mercado por um aplicativo de mensagens para crianças que também dê controle aos pais”, disse a porta-voz do Facebook Lauren Svensson. “Vamos ver como as crianças usam esses espaços e isso nos permitirá adicionar atualizações em futuras versões conforme necessário”.

O aplicativo é controlado pela conta do Facebook de um adulto que permite que filhos usem bate-papo em vídeo e enviem fotos, vídeos ou mensagens de texto para amigos aprovados.

O lançamento é uma prévia, porque só está disponível nos Estados Unidos e apenas nos sistemas operacionais da Apple. O aplicativo ficou 18 meses em desenvolvimento, disse Svensson.

Fonte: Reuters

Veja o que mudou na última atualização do WhatsApp web

Veja o que mudou na última atualização do WhatsApp web

Recentemente, a WhatsApp disponibilizou uma nova atualização do WhatsApp Web, mudando para a versão 0.2.7304.

Para ter certeza se você está usando a versão mais recente, limpe o cache do seu navegador.

Mas quais recursos o WhatsApp adicionou nesta atualização?

Existem poucas mudanças visíveis. Vamos descobrir:

EMOJIS COM NOVO DESIGN

O WhatsApp desenvolveu o seu conjunto de emojis, e eles estão implementados no Android e no Windows Phone.

Whatsapp

O WhatsApp implementou-os também na versão da Web WhatsApp, apoiando o novo Unicode.

Whatsapp

Você verá o novo design apenas se você estiver usando um dispositivo Android ou Windows Phone.

Por enquanto o novo design dos emojis na versão iOS não deve ser modificado.

Fonte: Wabetainfo

Veja também:

Whatsapp permite apagar mensagens enviadas por engano

Veja o que o Whatsapp mudou dessa vez

A nova função do WhatsApp que permite que seus contatos saibam em tempo real onde você está

Veja o que o Whatsapp mudou dessa vez

Veja o que o Whatsapp mudou dessa vez

Chega de ter dor no dedo. Enfim o Whatsapp mudou o que há muito tempo era esperado.

 

Sabe aquele momento que você prefere enviar um áudio do que escrever? É tanta coisa que precisa ser escrita que é mais rápido falar?

Então, nem tudo era um mar de rosas… você precisava ficar com o dedo apertando o símbolo do microfone enquanto falava. E quando o dedo escapava no meio da frase e você tinha que começar um novo arquivo para enviar?

(Percebeu que eu citei tudo no passado?)

O Whatsapp atualizou e agora você não precisa mais ficar segurando o tempo inteiro o botão do microfone. Agora, basta segurar por 3 segundos apenas, arrastar para cima e pronto… pode falar “a vontade”.

Veja abaixo o vídeo que mostra como essa atualização deixou o app:

 

Facebook supera estimativa de lucro conforme venda de anúncios cresce

Facebook supera estimativa de lucro conforme venda de anúncios cresce

O Facebook informou lucro e receita trimestral melhor do que o esperado nesta quarta-feira, à medida que avançou em publicidade de vídeo em um trimestre dominado por notícias que a Rússia possivelmente usou a rede social para influenciar as eleições norte-americanas de 2016.

 A empresa está no centro de uma tempestade política nos Estados Unidos pela maneira como lida com anúncios políticos pagos e permite a propagação de notícias falsas. Os parlamentares norte-americanos ameaçaram aplicar uma regulamentação mais severa e questionaram o conselheiro geral Colin Stretch, em audiências nesta semana.

O Facebook, em uma série de revelações ao longo de dois meses, disse que pessoas na Rússia compraram pelo menos 3 mil anúncios políticos dos EUA e fizeram mais 80 mil postagens na rede social que foram vistas por até 126 milhões de norte-americanos ao longo de dois anos. A Rússia nega qualquer envolvimento.

A receita total de publicidade do Facebook aumentou 49 por cento no terceiro trimestre, para 10,14 bilhões de dólares, dos quais cerca de 88 por cento vieram de anúncios para dispositivos móveis. Os analistas, em média, esperavam uma receita total de anúncios de 9,71 bilhões de dólares, de acordo com a FactSet.

No trimestre anterior o aumento na venda total de anúncios foi de 47 por cento, e a empresa registrou um salto de 51 por cento no primeiro trimestre.

O Facebook disse que cerca de 2,07 bilhões de pessoas usavam seu serviço mensalmente até 30 de setembro, alta de 16 por cento em relação ao mesmo período do ano anterior. Os analistas esperavam 2,06 bilhões de usuários ativos mensais, de acordo com a FactSet.

O lucro líquido subiu para 4,71 bilhões de dólares, ou 1,59 dólar por ação, ante 2,63 bilhões de dólares, ou 0,90 dólar por ação.

Os analistas em média esperavam que a empresa ganhasse 1,28 dólar por ação, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

A receita total aumentou 47,3 por cento para 10,33 bilhões de dólares, superando a estimativa dos analistas de 9,84 bilhões de dólares, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

Fonte: Reuters